.

Statement

Estou investigando materiais orgânicos na pintura, em busca de gestos, para que algo inesperado seja encontrado. Abro mão da pintura convencional, em minhas ações pictóricas, deixo que o acaso seja determinante.

Proponho cenas de paisagens sem partir de uma ideia predeterminada, não me prendo a um encadeamento lógico, racional. O trabalho se dá na intuição, configura entre o que trago do inconsciente. Faço um exercício de memória entre o que lembro e imagino.

Na minha prática, não tenho controle sobre as reações dos materiais, mas estou sempre domesticando esses acontecimentos, há sempre uma intenção. Há um aspecto muito mais sensível do que rígido.

As improvisações, os erros e os impulsos muitas vezes me favorecem. O trabalho se dá em camadas e camadas de texturas. A água conduz o processo, permite que os escorrimentos encontrem seus caminhos.

O meu trabalho é análogo à própria vida. Propondo um questionamento sobre os imprevistos e as incertezas que nos cercam, promovendo novos entendimentos do mundo em que vivemos.

Sem o acaso não há existência.

Bio

Formado em Licenciatura em Artes Plástica pela Ucsal-Ba.Possui formação de cursos extensivos como Teoria da Arte, Critica-Criação-Circuito – Instancias da Arte Contemporânea Brasileira e Planos e Superfície, no Parque Lage (EAV,RJ). Participou de exposições, salões e Bienais, no Brasil e no exterior. Foi premiado no Salão de Arte Contemporânea de Guarulhos, SP. Participou da Bienal Internacional de Arte Contemporânea Eve Maria Zimmerman, na Espanha. Seus trabalhos integram os acervos, do Brasil Golden Art, Galeria Paulo Darzé, Centro Cultural Correios, Salvador/ Rio de Janeiro.Teve seus trabalhos publicado no livro Via e-mail, Encontro com Artistas Brasileiros realizado pela Galeria Paulo Darzé.

obras

O sol rebentava fagulhas na pedra, 2020.

Acrílica, cimento, rejunte, pó xadrez, pigmento, cola e vedacit sobre tela. 180cm x 130cm.