Statement

Gosto de pensar sobre o meu trabalho como uma relação continua entre corpo e matéria.  O entre é o gesto, que por vezes fora traumático em minha vida. O gesto de um acidente no qual o corpo deforma o objeto e é deformado. O que chamo de gesto se assemelha a um espasmo como resposta ao ocorrido. Buscar um ápice, um transe de corpo e mente com o trabalho. Uma utopia de artista, mas não a partir  de um  gesto milagroso, mas na autonomia de um fazer que esbarra com a matéria, que arremessa, espreme, conduz, reorganiza. Uma incerteza que primeiramente toca o mundo com a ponta dos dedos.

Bio

Mestrando em Artes Visuais na Universidade do Estado de Santa Catarina, na linha de processos Artísticos Contemporâneos. Pesquisa o gesto enquanto uma atitude escultórica, investigando aspectos psicanalíticos, existenciais e formais evidenciados no trabalho. Em 2019 realizou a exposição individual ‘A utilidade daquilo que não é’, na  Casa de Cultura Emília Erichsen em Castro/PR. Desde 2017 vem participando de exposições coletivas e salões de arte. Recebeu prêmio aquisição no 10 salão de artes visuais da cidade de Ponta Grossa no ano de 2019.

obras

Sem título (Série trauma)

Fibra de vidro pintada. 90 x 62 x 47 cm, 2019