fbpx
Skip to content

Escrevendo em Arte (Parte 2 de 2)

(Para ler a primeira parte deste post clica aqui)

SIGNIFICADO

Eu não digo às pessoas o que as coisas significam, mas eu descrevo a maneira como eles ocorrem, a fim de atiçar a curiosidade das pessoas. (Barbara Bloom)

Seu depoimento artístico não precisa ditar o significado de seu trabalho, mas ele deve mostrar que você considerou cuidadosamente o que ele significa.

Espaço para interpretação

Eu acho que seria desastroso se você pudesse dizer qual era a mensagem de Hamlet… todos sairão com algo diferente dependendo se eles acabaram de abandonar um parceiro, se eles acabaram de ter um filho, ou se acabaram de serem demitidos de seus empregos. (Beth Henley)

Beth Henley pode estar certa sobre a boa arte tendo mensagens de potenciais infinitos. Ainda assim, um artista pode dizer bastante coisas sem esmagar esse potencial. Mesmo com um trabalho de camadas como Hamlet, de Shakespeare. O autor poderia ter dito algo como: “Eu queria explorar esse grande abismo entre eu e circunstâncias. Então eu coloquei um personagem com demônios pessoais dentro de uma estrutura social disfuncional.” – Shakespeare não disse isso, é claro, mas se tivesse, ele teria fornecido uma estrutura para a compreensão Hamlet ao mesmo tempo deixando espaço para a interpretação.

Por outro lado, se Shakespeare tivesse dito: “Quem vê Hamlet deve sair do cinema com uma aguda consciência de como a sociedade molda a identidade”, ele teria fechado a porta a significado do jogo. E ele teria pedido por uma briga com todos que discordassem.

REGRA DE OURO E EXEMPLOS

regra de ouro? Compartilhe suas ideias sobre significado, mas deixe os leitores e o público livres para engajarem o seu trabalho em seus próprios termos.

Exemplos:

Meu trabalho recente coloca a expressão da identidade contra a perda da individualidade. Estou interessado na maneira como se tornar parte de um grupo estabelece identidade de um modo geral, mas também tira a ênfase do indivíduo. (Rachel Warkentin, CGU ’09)

[O] trabalho convida confusão para vários níveis, e que “sentido” é gerado no processo de “resolver as coisas”. No nível mais óbvio, todos nós esperamos que as fotografias sejam fotos de algo. Assumimos que o fotógrafo observou um lugar, uma pessoa, um acontecimento no mundo e queria gravá-la. . . . O problema com o meu trabalho é que estas imagens não são realmente de qualquer coisa nesse sentido, elas registram apenas o que é incidental.  (Uta Barth)

Eu quero fazer um trabalho que opere na linha entre o sucesso e o fracasso, na mesma linha que eu vejo quando eu penso sobre o modernismo e o pós-modernismo. Eu estou na posição de acreditar em otimismo e progresso, e ao mesmo tempo perceber completamente o quão erradas, absurdas e românticas essas crenças são. Eu quero alcançar as estrelas ao ser disparado de um canhão, mas sei que o canhão poderia me queimar, ou se isso não acontecer, as estrelas. (Jacob Butts, CGU ’09)

ESTRUTURA

Eu sempre digo aos meus alunos: ‘Nunca se esqueça de que você está escrevendo palavras! Você sabe, palavra um, palavra dois, palavra três, palavra quatro. As palavras têm de ser organizadas. As outras coisas não. (Dave Hickey)

ORGANIZANDO AS ESTRUTURAS

Um brainstorm pode ser tão útil na fase de estruturação como na fase de coleta de ideias. Se você é uma pessoa detalhista, considere estruturar o seu primeiro rascunho com bullet-points sobre o assunto de cada parágrafo que você queira endereçar. Isso lhe dará uma referência forte e rápida e também um senso de direção. Ou você pode querer fazer mais de mapeamento mental nesta fase e diagramar as relações entre suas ideias. Não importa o quão bem você planeje a estrutura de seu depoimento, de qualquer forma você provavelmente terá de reorganizá-lo mais tarde. Portanto, mantenha a mente aberta para esse fato.

desconstruindo as estruturas
ESTILO

Este é o problema do escritor que estabelece deliberadamente o ‘enfeitamento’ de sua prosa. Você perde aquilo do que o torna único. O leitor geralmente nota se você está fazendo ares. Ele quer que a pessoa que está falando com ele soe genuíno. Portanto, uma regra fundamental é: seja você mesmo. (William Zinsser)

Independente da voz que você escolher para escrever, essas regras tendem a se aplicarem:

  • Faça transições lógicas entre parágrafos;
  • Omita palavras desnecessárias;
  • Evite linguagem desnecessariamente complexa;

Não sacrifique clareza em prol da arte. Sua primeira responsabilidade é a de comunicar de forma eficaz e estilística. Floreadas ou passagens esotéricas que obscurecem o significado do depoimento não lhe fará nenhum bem.

teoria e história

Felix Gonzalez-Torres, que eu sei que lê teoria com cuidado, mesmo assim, fez questão de dizer que não era para ser lido em uma espécie de forma rigorosa, acadêmica, mas para ajudar a desbloquear os pensamentos e abrir perguntas. (Robert Storr)

Muitos artistas temem não serem levados a sério se não situarem dentro de um contexto histórico ou teórico ao discutir seu trabalho. Enquanto seu depoimento certamente deve mostrar como o seu trabalho responde e se relaciona com a história ou a cultura contemporânea, você não precisa provar sua instrução em história da arte através de citações. Sua instrução será apresentada através da clareza e inteligência de sua escrita.

SOBRE CITAÇÕES

Cite assuntos que você realmente quer discutir em relação ao seu trabalho. Se o seu trabalho investiga a natureza voyeurística de imagens, por exemplo, não cite Laura Mulvey apenas para mostrar que você sabe que ela escreveu sobre o assunto. Cite-a somente se a ótica por trás das ideias da artista influenciaram diretamente as SUAS ideias. A mesma diretriz se aplica a mencionar outros artistas; enquanto você, sem dúvida, foi inspirado por uma rica variedade de figuras históricas e contemporâneas, cite apenas aqueles que têm influenciado diretamente no que você faz.

Se críticos, membros de uma comissão, colegas ou público querem saber mais sobre como você se vê em relação a ideias históricas, artistas ou movimentos, eles podem sempre perguntar.

Exemplos:

[Hans] Holbein trouxe uma enorme dignidade ao seu trabalho (junto com a cores ricas e saturação). Houve uma igualdade de suas pinturas, eles não eram retratos de semideuses, eram apenas incrivelmente detalhadas e reais. Quando eu vi aquilo, eu percebi que eu queria espelhar seu trabalho com os membros da minha própria comunidade. Pareceu-me uma boa discussão, especialmente em relação à comunidade sadomasoquista, o que foi considerada (e ainda é considerada, até certo ponto) como predatória ou pervertida. (Catherine Opie)

Nós não apenas nos referirmos à divisão de territórios, mas pensamos também da impossibilidade de estarmos inclinados politicamente para um lado em vez de outro, nesta terrível fase do conflito. Sentimentalmente, não se pode evitar de escolher um lado – isso é óbvio-, mas politicamente, é preciso recusar uma divisão binária e buscar critérios mais claros para a interpretação dos fatos. Hannah Arendt escreveu certa vez que ela não amava “quaisquer pessoas ou coletivos – nem os alemães, nem os franceses, nem os americanos, nem a classe trabalhadora, ou qualquer coisa desse tipo. Eu realmente amo apenas meus amigos e o único tipo de amor que  conheço e acredito é o amor às pessoas’. Amigos, é claro, podem estar de ambos os lados. (Claire Fontaine, discutindo seu projeto Diviser la division, 2008)

Eu fiz a primeira foto ‘Blumen’ depois de olhar para fotos livro de Robert Mapplethorpe. Fiquei impressionado com a quantidade de liberdade Mapplethorpe foi capaz de extrair a partir de seu modelo de contenção, que em amarrar e cortar seus modelos, ele parece ser capaz de trabalhar com pessoas como formas. Eu nunca pensei que minhas flores tinham alguma relação com as dele (que eu interpretava como irritantemente eróticas). Pensava nelas relacionando-as com bondage. Eu queria fazer as flores mais agressivas e irônicas e menos dóceis e sensuais. (Collier Schorr)

Escrevendo e Revisando

Uma frase clara não é obra do acaso. Muito poucas frases saem certas na primeira vez, ou até mesmo pela terceira vez. Lembre-se disto como um consolo em momentos de desespero. Se você achar que a escrita é difícil, é porque é difícil. É uma das coisas mais difíceis que as pessoas fazem. (William Zinsser)

Você pode ter semanas ou até meses para escrever, editar e revisar. Infelizmente, não importa quanto tempo você tem, nunca parecerá ser o suficiente.  A melhor estratégia para se mover através do processo de escrita é simplesmente se forçar a escrever com frequência e de forma rotineira e se permitir algum tempo para feedback e fazer revisões. A escrita e a revisão devem ser difícieis e demoradas – essa é a natureza da fera, e não há truques para se desviar dos desafios. Entretanto aqui estão algumas dicas que podem ajudar você a gerenciar o processo de revisão:

seis dicas de revisão
  1. Faça pausas frequentes e deixe suas versões editadas e rascunho incubarem. Quando você retornar com novos olhos, você pode ter uma nova visão sobre o que você escreveu.
  2. Torne o processo mais tátil e interativo, destacando à caneta as partes interessantes de seu depoimento em uma cópia impressa, faça um outline reverso em um quadro branco ou grave sua voz lendo o depoimento.
  3. Corte livremente frases, parágrafos ou seções inteiras. De qualquer forma é uma boa ideia fazer backup do que você escreveu em outra versão do documento. O novelista Emore Leonard diz que tenta deixar de fora as partes que os leitores pulam. Apesar da escrita necessitar de muita habilidade para se dominar, essa é uma boa meta para qualquer escritor.
  4. Mova seções ao redor. Às vezes, um rearranjo simples pode esclarecer ideias.
  5. Tenha alguém de confiança, um conselheiro, ou alguém que trabalhe com escrita e que tope ler múltiplos rascunhos do seu depoimento.
  6. Peça feedback não só sobre a sua escrita, mas também sobre a forma como a sua escrita se relaciona com a sua arte.
Este conteúdo é uma tradução, adaptação e edição do original Writing in Art: Introduction do GCU Writing Center da Claremont Graduate University e foi publicado originalmente por 2e1.